Franchising brasileiro cresce 8,3% em 2015

Segmentos de acessórios, serviços e hotelaria tiveram destaque na expansão por faturamento. O setor do franchising brasileiro registrou crescimento de 8,3% em faturamento no ano de 2015. A receita acumulada no ano foi de R$ 139,593 bilhões. Os números foram apresentados hoje pela ABF.

Os maiores crescimentos em relação a 2014 foram registrados nos segmentos de Acessórios pessoais e calçados (12%), Negócios, serviços e outros varejos (10,2%), Hotelaria e turismo (9%) e Alimentação (8,9%). Os dados são nominais, ou seja, não levam em conta a inflação acumulada no ano.

O total de unidades em funcionamento aumentou 10,1%, chegando ao total 138.343. O saldo de novas unidades franqueadas em 2015 foi de 12.702 (descontando as unidades fechadas). Segundo a associação, o crescimento do setor foi mais acentuado nas regiões Nordeste e Centro-Oeste. “As redes têm chegado a cidades com menos de 50 mil habitantes. Até alguns anos atrás, o corte eram em cidades de 200 mil”, diz Claudio Tieghi, diretor de inteligência de mercado, relacionamento e sustentabilidade da ABF (Associação Brasileira de Franchising).

O setor de Veículos, composto principalmente por redes de serviços automotivos e locadoras, teve a maior variação relativa no número de unidades – 27%. “Como houve desaceleração na venda de veículos zero quilômetro, a frota envelhece. O cliente procura atendimento nas franquias do ramo para fazer a manutenção do carro”, diz Tieghi.

A mortalidade no setor do franchising – o número de unidades fechadas em relação ao total de franquias no ano – foi de 4,4%. No ano anterior, o indicador fora de 3,7%.

O número de redes de franquias brasileiras com presença no exterior passou de 106 para 134. Os segmentos com maior presença em outros países, em número de unidades, são Alimentação (18%), Esporte, saúde, beleza e lazer (17%) e Acessórios pessoais e calçados (15%). Do outro lado, são 159 marcas estrangeiras operando no Brasil.

Para 2016, a projeção da ABF é que o franchising cresça de 6% a 8% no faturamento, de 8% a 10% no número de unidades e de 4% a 6% no total de marcas. “Neste ano poderemos ter uma forte expansão no número de franqueados por causa do cenário adverso da economia. Com inflação alta e desemprego, cresce a procurar pelas franquias”, afirma Cristina Franco, presidente da ABF.

slide1

slide2

slide3

slide4

slide5

slide6

slide7

Fonte: Revista PEGN